Uma grande árvore frondosa num parque cheio de cerraçlão da manhã. Cenário da Festa da Semana Farroupilha de Porto Alegre (RS)

SEMANA FARROUPILHA

NUM MINUTO

 

SINTA-SE LÁ

Durante os cerca de 30 dias, que antecedem o 20 de setembro - aniversário da Revolução Farroupilha - os gaúchos se reúnem diariamente para reafirmar o sentimento de orgulho pelos hábitos, costumes e tradições do seu povo e para se preparar para a celebração da data.

O Parque Maurício Sirotski Sobrinho, no centro de Porto Alegre, é o centro desse evento. É também o local onde parte da população fica acampada e onde estão montados centenas de piquetes.

​Na guerra, piquete é o nome que se dá ao lugar onde a tropa se reúne para prestar serviços eventualmente. E é exatamente assim no Parque: tem sempre uma tropa disponível com muita música, muita dança e, claro, muito churrasco para esperar os amigos que virão participar da festa.

Muitos desses piquetes têm o prenome de “querência”, que, no Rio Grande do Sul, é como se chama o lugar onde o gado é criado ou o lugar onde as pessoas nasceram. Designa um lugar “querido”, especial, para onde se quer voltar porque é onde seus afetos e sua história estão... e essa é a essência dos piquetes e da festa.

No amanhecer do dia 20, o orgulho de ser gaúcho é coroado com uma grande parada que toma conta da cidade: membros de todos os piquetes, lado a lado com representantes de todas as forças policiais, caminham juntos pela grandeza do Rio Grande do Sul. Peões e prendas, vestidos com as roupas típicas da época (1835-1845), desfilam pelas ruas do centro. Há cavalos por todos os lados. A metrópole de Porto Alegre volta a ser, por um dia, um campo do século XIX.

 
 

FOTOS

 

MÚSICA TÍPICA

Boi Barrosomúsica folclórica gaúcha
00:00 / 03:48
Uma grande tuba dourada ocupa quase todo o espaço da foto. Vê-se que ela está sendo segurada por um homem de uniforme cinza, do qual só se enxerga o braço. Refletida no metal do instrumento, vem uma moça, caminhando pela rua, com um vestido longo alaranjado, a roupa típica das prendas gaúchas.

GLOSSÁRIO

BAGUAL

Diz-se do cavalo ainda em fase de doma (na fronteira) e também do cavalo inteiro, colhudo, garanhão (na serra). É utilizado como um advérbio de intensidade para expressar uma coisa forte, intensa, grande.

BOMBACHA

Tipo de calça masculina que, folgada nas pernas e abotoada na altura dos tornozelos, compõe um traje típico do Rio Grande do Sul.

CHARQUE

Carne de vaca, salgada, seca ao sol, e cortada em mantas.

CHARLA

Conversa.

CHIMARRÃO

Bebida amarga, feita com folhas de erva-mate moída, servida quente dentro de um porongo (cuia) e bebido através de uma bomba.

FLOREIO

Enfeite.

GUAIACA

Cinto largo, de couro macio ou de camurça, guarnecido de pequenos bolsos, que serve para guardar dinheiro, objetos pessoais e até portar armas.

 

SAIBA MAIS

Sesc Ribeirão Preto 

 
 

ONDE FICA?

Porto Alegre (RS)