A Sinhazinha beija o Boto Cor-de-Rosa durante o Sairé em Alter do Chão, Pará.

LAGO DOS BOTOS

SINTA-SE LÁ

Cunhantã-iborari nadava no Lago Verde, quando foi seduzida e engravidada pelo golfinho amazônico.

Para se vingar, seu pai, o Tuxaua, manda matar o cetáceo.

Mas os botos são criaturas muito especiais - eles protegem as canoas durante os temporais, salvam as pessoas que estão se afogando (empurrando-as para a terra), conduzem os cardumes para as margens dos rios, para que fiquem perto dos remansos e das margens – e por ter ordenado a sua morte, recai então sobre o Tuxaua a fúria dos espíritos da região.

Arrependido, ele pede ao Pajé que venha ressuscitar o boto.

Um espetáculo de cores, luzes, música, dança. Todo o esplendor da floresta Amazônica recriado na arena onde a tão conhecida lenda do Boto é encenada todos os anos pelo “Tucuxi” e pelo “Cor-de-Rosa”.

 
 

FOTOS

 
01_6H8A6917.jpg

A LENDA DO BOTO

O Boto é um homem muito bonito, atraente e sedutor. Exímio dançarino e bebedor. 

Está sempre vestido de branco e usa um chapéu elegante na cabeça, do qual nunca se separa. 

Dizem que o chapéu, na verdade, esconde o orifício de respiração do boto (o bicho) quando ele está se apresentando em forma de homem.

O Boto Homem, irresistivelmente sedutor, engravida mulheres jovens e bonitas. 

Quando o dia amanhece, se transforma de novo no Boto Bicho e o bebê que vai nascer em alguns meses, nunca vai conhecer seu pai.

 

ONDE FICA?

Alter do Chão (PA)